O Dia Internacional da Dança é comemorado, todos os anos, desde 1982, no dia 29 de abril. Essa data foi instituída pelo Comitê Internacional da Dança – CID da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura).

A intenção com esta data não é somente “comemorativa” mas principalmente uma forma de dar mais visibilidade a esta vertente cultural que demanda mais valorização: tanto do setor público (com políticas de incentivo) quanto da própria sociedade (em se educar a consumir produtos culturais).

Mas por quê dia 29 de abril?

Um dos nomes que se destacam na história da dança é o do mestre francês Jean-Georges Noverre. Ele nasceu dia 29 de abril de 1727, tendo ultrapassado os princípios gerais que norteavam a dança do seu tempo para enfrentar problemas relativos à execução de uma obra de ballet.

A sua proposta era atribuir expressividade à dança através da pantomima, utilizando mãos, braços e feições para, segundo ele, sensibilizar e emocionar. Ele sugere então, a simplificação na execução dos passos e mais sutileza nos movimentos para uma ideal expressividade na interpretação da dança.

Para Noverre, a dança em ação é a forma de interpretar as idéias escritas na música com verdade ao executar os gestos na dança.

Data de nascimento: 29. Abril 1727
Data de falecimento: 19. Outubro 1810 / Viveu 83 anos.

A principal contribuição e destaque que Noverre conquista na dança é o conjunto de cartas que escreveu sobre o balé de sua época, conhecido como “Letters sur la Danse”. Por esse fato, ele é considerado um dos pioneiros na reflexão teórica sobre o balé.

E agora em 2020, a nossa homenagem a esse dia

O tempo passa e as tradições também se transformam. Além das transformações em nossa forma de falar, o surgimento constantes de novas gírias em cada geração, as inovações na moda e nos estilo de vida cada mais sustentável, nos vimos agora de frente a uma pandemia, quando fomos convocados a nos isolar das pessoas como a única medida de prevenção efetiva.

Graças a essa incrível invenção humana das tecnologias de comunicação e informação, não perdemos contato. Conseguimos conversar, ver a imagem do outro, ouvir a voz e interagir. Estamos, cada um, fechado em seu lar mas juntos e unidos pelo amor à dança, uma atividade que nos alegra, nos diverte, nos acalma, nos une e também expressa e comunica o nosso humor, nosso viver.

Cuidem-se… #DanceEmCasa!